sábado, 26 de fevereiro de 2011

ENGESSAMENTO


A movimentação silenciosa do governo no sentido de aprovar a CPMF acontece num campo minado de inocências. “Não queremos criar um novo imposto. A saúde está precisando. Só vai beneficiar os mais carentes. Vai ser um imposto social. A oposição não pode reclamar porque eles criaram a CPMF.”

Alguns parâmetros os governista não se atrevem a comparar. Em 1995 o Real estava no início do processo de estabilização, o país arrecadou 85 bilhões de reais no ano. Hoje arrecada 91 bilhões no mês. Descontando a inflação é astronomicamente superior. Naquela época havia um desajuste nas contas públicas cuja solução foi imperiosa para sobrevivência da moeda recém lançada. Levamos 6 anos para o sucesso. São situações extremamente diferentes. A situação caótica do momento é má condução da política econômica. É muito fácil. Quebra-se e atira a conta para a sociedade, porque essa história de dizer que se trata de um imposto que vai afetar somente os ricos. É conversa. Não existe imposto cobrado ao empresariado que não seja repassado ao consumidor. Por não estar confiante na austeridade fiscal do governo a industria já está repassando aumentos de até 20%. Imagine com um novo imposto. A conta termina caindo no colo dos mais carentes. Por outro lado um novo imposto ajuda a piorar a competitividade do país. Não é a toa que a previsão do crescimento do Brasil para 2011 poderá ficar abaixo da média do crescimento mundial.
 
Para eles é natural desorganizar as contas públicas, criar mais impostos, novamente desorganizar, e aí vem o imposto da Educação, imposto da Segurança. Gastar com racionalidade é só promessa.

Intrigante é o PT colocar todos num só nível de percepção e de conhecimento com a cumplicidade da imprensa, disseminam que mudou o Brasil num Projeto mirabolante sem nenhuma linha escrita e sem reformas. É bom lembrar que o Projeto do PT era a Ruptura Necessária publicado em 16.12.2001 em Pernambuco, que o Lula abandonou em 01.01.2003 ao subir a rampa do Planalto. Agradecemos por isso.
 
O PAC não é um programa de Lula. São obrigações constitucionais. Só a sigla é novidade, e me sinto insultado quando, o governo passado, disse que pagou o FMI sozinho. O que foi mesmo que eles fizeram durante 8 anos para mudar o Brasil?

O que assistimos nos últimos anos foi um desmonte no processo de uma política econômica levando-lhe ao engessamento, de forma que se ficar o bicho come, se correr o bicho pega. De tanta má aplicação dos tributos estamos numa situação difícil: Se os juros caem geram inflação, se elevá-los nos endividamos e a economia desaquece. E, os governista, ainda querem continuar mudando.

2 comentários:

  1. Concordo em gênero, número e grau.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns meu caro, você mostra conhecer bem o assunto, estou surpreso, é verdade mesmo, arrecada-se 91 bi/mensal!
    Mas quanto dessa grana é para pagar dívidas?
    Espero que um dia alguém importante veja seu blog.

    ResponderExcluir